2008/09/17

À CAROCHINHA DEU-LHE OS NERVOS!

Certo dia, a Carochinha que todos nós conhecemos, viúva do João Ratão, decide acabar com o luto. Escolhe o seu melhor vestido: o mais curto, o mais decotado, o mais sexy e.... vermelhão!!! e vai para o centro de emprego à procura de noivo.



Mal chega, coloca-se de frente para as cadeiras de espera e apresenta-se:
– Eu sou a Carochinha! Há anos que tento arranjar um bom marido, que não me engane, que não seja um vegetal em frente à TV, que não fique a olhar para trás de cada vez que uma jeitosa passe, que não durma a sesta nem se canse com pouco, e muito menos que me morra!!! Estou farta!!! Por isso...

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Diz o agricultor entusiasmado.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

E o agricultor responde:
– Far-te-ei feliz através do olfacto e do gosto. Trarei todos os dias para casa ricas melancias, morangos, cerejas, mirtilos, maçãs, a fruta mais doce que conseguir plantar. E tu serás a minha planta favorita, a quem darei mimos sem cesar!

– Humm... tentador... mas não gosto de fruta. À excepção de peras bebedas!!! Diz a Carochinha. E decide tentar de novo:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o delicado enfermeiro.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

E o enfermeiro responde:
– Cuidarei sempre de ti. Seja qual for a doença que encontre: sarampo, gripe, prisão de ventre, cólica renal. E com certeza nunca terás febre de amor, porque serei o mais fiel e atento dos maridos!

– Humm... que encantador... mas também não é preciso exagerar! Gosto que me contrariem de vez em quando! E, de qualquer modo, tenho receio de vir a ser hipocondríaca com tanto remédio em casa! Diz a Carochinha. E decide tentar de novo:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Queremos nós! Queremos nós! Diz o par de bailarinos em unissono.

E a Carochinha pergunta-lhes:
– Então e de que maneira me vão fazer feliz?

Ao que os bailarinos respondem:
– Levamos-te a dançar todas as sextas e sábados à noite! Vais aprender a dançar melhor que qualquer profissional! Esticaremos os teus músculos até à exaustão, vais parecer a Madonna!!!

– Creeedooo! Detesto uma mulher com aqueles músculos! E sou muito caseirinha, sei lá se me vai apetecer dançar todos os fins-de-semana! Humpf!... Desabafa a Carochinha. E decide tentar de novo:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o chef de cuisine.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– Ma cherrie! Je t'aime bien! Vou cozinhar os pratos mais deliciosos da gastronomia internacional. Nem precisarás de viajar para conhecer o que se pode comer noutros países! Vais amar os meus doces caseiros, as sopas de batata, o bacalhau frito, a maionese de coentros!!! Hum, delicieux!

– Meu caro chefe, você é um perigo!!! Vou ficar gorda num instante! Já viu o meu corpinho? Não é com sopa de batata nem doces conventuais que consegui esta proeza!!! E depois quem pagava a lipoaspiração? E logo eu que adoro viajar!... E a Carochinha tenta mais uma vez:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o decorador.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– O meu bom gosto vai trazer uma lufada de ar fresco à sua casa! Vou decorá-la com os mais belos tecidos, as tintas mais vibrantes, os móveis mais em voga! Já estou a delirar com a possiblidade de lhe pôr as mãos em cima!!...

– Seu atrevido!! Eu não tolero que me mudem as coisas de sítio! Nem um só centímetro! A casa é minha, lá por se casar comigo não pense que vai mandar nela! E lá decide experimentar outra vez:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o gigolo.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– Mas menina... eu faço qualquer mulher feliz com a dádiva que Deus me deu! O poder de atrair as mulheres e de levá-las às nuvens! Não há quem me resista!

– Bem!!! Isto está a correr muito pior do que pensava! Com tamanha crise e só pensam no vosso próprio umbigo??? Seu convencido, egocêntrico dum raio!!! E mais uma vez tenta:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o mordomo.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– Madame, estarei sempre atrás de si. Serei a sua sombra! Qualquer coisa de que necessite é só pensar em mim e lá estarei para conceder os seus desejos!

E a Carochinha, atónita, suspira:
– Ah!!!! Qual génio da lâmpada!!! O senhor deve ser realmente surpreendente. Mas eu ia morrer de susto com essa sua omnipresença, e quero poupar-lhe o facto de ter de tratar da sua viuvez no B.I.. Incansável, continua:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o palhaço.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– Sou palhaço! Ponho as pessoas bem dispostas! Tu irás rir desde de manhã à noite! Vamos divertir-nos como nunca! E podes assistir a todos os meus espectáculos de borla!

Ao que a Carochinha responde:
– Meu Deus, isso deve ser mesmo muito cansativo! Bem, iria fazer-me bem ao espírito e... aos abdominais, mas... mas os meus iam todos pensar que estava no gozo quando lhes dissesse que eras... um palhaço! Já desesperada tenta outra vez:

– Quem quer, quem quer, casar com a Carochina? Que é muito rica, além de ser bonitinha!


– Quero eu! Quero eu! Responde o rabi.

E a Carochinha pergunta-lhe:
– Então e de que maneira me vais fazer feliz?

– Vou-lhe ler a Torah e mostrar-lhe os nossos ensinamentos. Celebraremos o Sabbath!

A Carochinha, assustada, desabafa:
– Ai eu lá conseguia esquecer-me do Natal? Deixar de receber presentes??? Comer um perúzinho e o belo do bacalhau???!!! No way!!!

Vira-se para o único homem que restava da plateia, outrora composta, e pergunta-lhe:
– Olha lá, e tu? Porque não dizes nada? Afinal o que é que fazes p'la vida?


– Eu sou mágico. Faço as coisas desaparecerem e aparecerem sempre que quero. Responde o mágico calmamente.

– Ah que jeitaço que me vais fazer!!! Tira-me deste filme e leva-me para casa! Ah, e quando estiver farta de ti podes desaparecer também!!!

E não viveram felizes para sempre!

3 comments:

Manu said...

Li a história, vi os teus trabalhos...resultado...gostei de ambos :D

Anonymous said...

Fiquei-me pelo brilhante chef de cuisine! Voilá! :)

*

silvia said...

ai oh inês, que espectáculo!!!
só tu!

beijinho grande
silviaLIMA